Bem Vindos !



A LUZ Da CITÂNIA

Bem Vindos tôdos(as) os que Amam a Lusitânia , tôdos(as) os que Amam Portugal. Estejam á Vontade nesta humilde casa , aonde podem Descansar junto á Lareira do Coração... Do que aqui poderão encontrar, nada vos levará ao sôno da Inconsciência, mas, tal como diz o Nosso Pôvo na sua Sabedoria Milenar, «Não se pode agradar a Grêgos e a Trioânos...». Assim, nem tôdos concordarão com o que aqui está Escrito, mas tudo o que é aqui Dito, foi ( e é) Vivido por mim, Muito embora tantas e tantas vêzes sentido,pensado e escrito por outros/as, outros/as com os/as quais me Identifico, no sentido essencial e mais vasto, porque Irmanados no Passado, no Presente e no Destino Luminôso de Portugal, O Pôrto-Do-Graal.
Poder-se-á Falar aqui de várias tradições espirituais, uma vez que Dêus é só UM, mas a minha, a Nossa Tradição, a de Portugal, é Cristã. Quando me refiro a Cristã, não me refiro a qualquer instituição religiosa organizada, mas á Vivência da Tradição Original Cristã,
Aquela que nos foi Legada por Cristo, o nosso Amado Senhôr. Uma Coisa é Certa: Aqui Amamos a Dêus, o nosso PAI Celestial , a Jesus Cristo, o Seu Filho Dilecto e o nosso Redentôr, á Sua Mãe, a Virgem Mãe Santíssima, e ao Seu Santo Espírito , o Verbo Criadôr,
Porque Êsse Foi( É) o Amôr e A Razão da Existência de Portugal, e o seu Destino Maior.
Nêste pequenino rinchão Rectangular Ancestral de Tamanho Mundial, nêste Balcão que Mira o Atlântico profundo, Portugal aguarda o Regresso da sua Mãe Ancestral, A Atlântida, á Luz da Vastidão do Luso Mar... Por isso mêsmo, não meçam o que aqui vêem, ou ouvem, ou sentem, limitando-vos ás Aparências... A Realidade por Detrás das Aparências, Quer Levar-nos para mais Longe e para Mais Alto...
E como, a Lusitânia da nossa Alma , não tem medida , a nossa querida Mãe do Céu e da Terra não SE Limita, também não existem limites Aqui na Luz da Citânia... o único Limite, se assim me posso expressar, é Ilimitado, Um Rumo Inalterado que nos leva de volta a Cristo. Cristo, não como um conceito vago, ou como religião limitativa, mas como o Verbo Encarnado , o Senhôr e Rey de Portugal e a Génese Espiritual e Existencial Desta Terra de Santa Maria. Santa Maria que É A Luz da Citânia, ou A Terra da LUZ Divina, onde A Mãe Celestial Estabeleceu o Seu Trôno Terreal.
Aqui Ela Está presente há muitos séculos, Algo que o nosso Primeiro Rey, Dom Afonso Henriques, Abençoado por Jesus Cristo na Batalha de Ourique(Abençoando Assim Portugal!), Reconheceu dêsde a primeira Hora da Nação.

Pesquisar neste blogue

20/03/2011

A minha Homenagem do Coração ao Saudôso João de Dêus

Preito de Gratidão a João de Deus


As linhas que se seguem, mal alinhavadas, não pretendem mais do que prestar homenagem, muito simples, ao Homem que concebeu o meu primeiro livro – A Cartilha Maternal.
***
João de Deus Nogueira Ramos nasceu a 8 de Março de 1830 em São Bartolomeu de Messines. Foi o 8º de 12 filhos do casal Pedro José Ramos e Isabel Gertrudes Martins. Embora os pais fossem comerciantes humildes preocuparam-se com a educação dos filhos Foi assim que durante a sua infância estudou com o pároco da sua aldeia e mais tarde foi para o seminário onde estudou matemática, latim, português... preparando-se com conhecimentos sólidos para o seu futuro. Porém João de Deus não queria seguir a via sacerdotal.
 Por vezes os padres chamavam-no à atenção porque ele não se vestia de modo digno para entrar na igreja, porque não levava um fato domingueiro.
Mas ele acreditava que “o hábito não faz o monge”.
Aos 19 anos decidiu sair do seminário e matriculou-se em Direito na Universidade de Coimbra.
Enquanto estudante surgiu-lhe o fascínio pelo desenho à pena, interesse que o acompanhou toda a vida. Fazia especialmente retratos de pessoas que lhe vinham à memória. Desenhava em qualquer pedaço de papel, num canto de jornal... Humilde e afável, rapidamente captou o afecto dos que o rodeavam. Era um conversador maravilhoso, amante das tertúlias, era admirado pelos colegas e conhecido por todos por o “João”.
Em 1859 termina o curso e decide permanecer em Coimbra, colaborando com diversos jornais traduzindo obras do francês para o português. As suas poesias ganharam fama entre o meio académico.
O seu carácter era tão dócil que falava de igual modo tanto a um homem simples como a um homem importante.
A sua fama era tal, que passou a assinar tudo o que escrevia, unicamente por “João de Deus”, o seu nome próprio.
Em 1870 recebeu um convite do senhor Rovere da Casa Rolland para criar um método de leitura adaptado à língua portuguesa e inicia desde logo esse seu novo projecto a que chamará mais tarde Cartilha Maternal ou Arte de Leitura.
Em 1876 escreveu “A Palavra escrita”, uma reflexão sobre os efeitos da fala e da escrita na civilização e concluiu o seu trabalho sobre o método de leitura publicando a Cartilha Maternal. Porém, ela não foi publicada pela Casa Rolland como inicialmente lhe tinha sido proposto porque a editora faliu, mas foi publicada por um amigo seu, o Abade de Arcozelo que tinha uma tipografia.
Ele dedicou essa obra às mães e escreveu :
(...) Às mães, que do coração professam a religião da adorável inocência, e até por instinto sabem que em cérebros tão tenros e mimosos todo o cansaço e violência pode deixar vestígios indeléveis, oferecemos, neste sistema profundamente prático, o meio de evitar a seus filhos o flagelo da cartilha tradicional. (...)
Foi assim que eu comecei a aprender a ler, com a minha Mãe, que também tinha aprendido a ler na mesma Cartilha.
Para quem já não se lembra, deixo aqui uma imagem que ainda hoje me faz humedecer os olhos:
  
 
Para quem quiser folhear a Cartilha, hoje, pode vê-la na sua totalidade através do link
   
Um abraço amigo
Alfredo Formiga
  




As linhas que se seguem, mal alinhavadas, não pretendem mais do que prestar homenagem, muito simples, ao Homem que concebeu o meu primeiro livro – A Cartilha Maternal.

***

João de Deus Nogueira Ramos nasceu a 8 de Março de 1830 em São Bartolomeu de Messines. Foi o 8º de 12 filhos do casal Pedro José Ramos e Isabel Gertrudes Martins. Embora os pais fossem comerciantes humildes preocuparam-se com a educação dos filhos Foi assim que durante a sua infância estudou com o pároco da sua aldeia e mais tarde foi para o seminário onde estudou matemática, latim, português... preparando-se com conhecimentos sólidos para o seu futuro. Porém João de Deus não queria seguir a via sacerdotal.

Por vezes os padres chamavam-no à atenção porque ele não se vestia de modo digno para entrar na igreja, porque não levava um fato domingueiro.

Mas ele acreditava que “o hábito não faz o monge”.

Aos 19 anos decidiu sair do seminário e matriculou-se em Direito na Universidade de Coimbra.

Enquanto estudante surgiu-lhe o fascínio pelo desenho à pena, interesse que o acompanhou toda a vida. Fazia especialmente retratos de pessoas que lhe vinham à memória. Desenhava em qualquer pedaço de papel, num canto de jornal... Humilde e afável, rapidamente captou o afecto dos que o rodeavam. Era um conversador maravilhoso, amante das tertúlias, era admirado pelos colegas e conhecido por todos por o “João”.

Em 1859 termina o curso e decide permanecer em Coimbra, colaborando com diversos jornais traduzindo obras do francês para o português. As suas poesias ganharam fama entre o meio académico.

O seu carácter era tão dócil que falava de igual modo tanto a um homem simples como a um homem importante.
A sua fama era tal, que passou a assinar tudo o que escrevia, unicamente por “João de Deus”, o seu nome próprio.

Em 1870 recebeu um convite do senhor Rovere da Casa Rolland para criar um método de leitura adaptado à língua portuguesa e inicia desde logo esse seu novo projecto a que chamará mais tarde Cartilha Maternal ou Arte de Leitura.

Em 1876 escreveu “A Palavra escrita”, uma reflexão sobre os efeitos da fala e da escrita na civilização e concluiu o seu trabalho sobre o método de leitura publicando a Cartilha Maternal. Porém, ela não foi publicada pela Casa Rolland como inicialmente lhe tinha sido proposto porque a editora faliu, mas foi publicada por um amigo seu, o Abade de Arcozelo que tinha uma tipografia.

Ele dedicou essa obra às mães e escreveu :

(...) Às mães, que do coração professam a religião da adorável inocência, e até por instinto sabem que em cérebros tão tenros e mimosos todo o cansaço e violência pode deixar vestígios indeléveis, oferecemos, neste sistema profundamente prático, o meio de evitar a seus filhos o flagelo da cartilha tradicional. (...)

Foi assim que eu comecei a aprender a ler, com a minha Mãe, que também tinha aprendido a ler na mesma Cartilha.

Para quem já não se lembra, deixo aqui uma imagem que ainda hoje me faz humedecer os olhos:





Para quem quiser folhear a Cartilha, hoje, pode vê-la na sua totalidade através do link

http://purl.pt/145/1/P2.html



Um abraço amigo

Alfredo Formiga

(blogue activo: http://sol.sapo.pt/blogs/void2/default.aspx)

Sem comentários :

Enviar um comentário